Ultimamente por aqui...

5.11.18

Ultimamente por aqui entrámos na rotina pela qual ansiávamos. Acabámos as obras na nossa casa e agora estamos todos em velocidade cruzeiro a desfrutar deste que é um dos nossos grandes projetos em família. Estamos mais perto das escolas e de repente o tempo parece que esticou. Agora temos uma casa que parece enorme porque ainda nos faltam muitas coisas mas não sentimos pressa nenhuma em mobilar. Aqui vamos nós, à nossa velocidade.
Os miúdos parece que crescem durante a noite e a cada dia acordam maiores. A Isabel está naquela fase em que se notam diferenças a cada dia. Está uma tagarela e já se percebeu que não é por ser a mais nova que vai deixar que os irmãos lhe ligam o que fazer. Bem pelo contrário. Desfazem-se em mimos e incluem-na nas brincadeiras.

O Joaquim se pudesse escolher vestia calções e calçava chuteiras todos os dias. Ainda hoje tivemos direito a resmunguice de manhã porque queria calções e não consegue perceber o que é o que frio tem a ver com isso. 

Para oferecer no aniversário de uma das minhas melhores amigas, provavelmente a mais antiga, fiz esta camisola que adorei. Usei o fio branco de bebé que encontrei nas arcas da minha mãe e depois adicionei a cor usando linhas de costura. 
.
A nossa "copa" como lhe chamamos é um dos nossos sítios preferidos da casa e este foi o nosso primeiro pequeno almoço. Desde então têm-se seguido muitas refeições porque esta era uma das rotinas de que mais sentíamos falta. Cozinhar e reunir-nos à volta da mesa para refeições sem pressa.

O Manuel foi o único que se vestiu verdadeiramente para celebrar o halloween este ano. O Joaquim tem sempre imensos planos e vontade mas quando chega a altura de pintar a cara muda logo de ideias! :)
E esta fotografia tirada pelo avô Carlos! Não me lembro de termos uma fotografia em que estivessemos todos a olhar! Aqui está uma e não há ninguém a fazer caretas!


Ultimamente por aqui também tivemos aniversários. O Joaquim fez 5 anos em Setembro e o Manuel 7 em Outubro. Estão cada vez mais senhores dos seus narizes e este ano o Manuel pediu uma festa do pijama para os seus anos. Aproveitámos o facto de termos pouca mobília e fizemos-lhe a vontade. Ter um grupo de 8 rapazes em casa (mais os nossos) não foi um passeio no parque mas ele ficou tão feliz que nós não tivemos como não ficar também.
Agora, Novembro está a chegar e estamos a dois passos do final do ano. Não sei bem como mas vamos a isso!

Marrakech I

23.10.18


Tudo isto começou - e voltamos muitas vezes a esse momento em conversa entre as três - com um presente de Natal que os nossos maridos nos ofereceram há uns anos atrás: uma viagem a Madrid. Marcaram a casa, as passagens e um restaurante maravilhoso e puseram tudo isto dentro de um envelope que eu me lembro de abrir como se tivesse sido ontem. A minha primeira reacção foi de espanto, depois medo. Nunca tinha estado longe dos miúdos (na altura só dois) mas acho que o André sabia o que eu precisava melhor que eu e foi um presente maravilhoso. Tão acertado que entretanto já vamos na terceira ronda, depois de Madrid veio Roma e agora Marrakech. 
Foi o primeiro destino que conhecemos pela primeira vez e foi uma espécie de fim de semana de descoberta ao nosso ritmo. E foi tão bom. Marrakech tem cores lindas. É uma espécie de mundo à parte, uma cultura tão diferente da nossa apesar de ser mesmo aqui ao lado.
Como tem acontecido nas nossas viagens, também esta teve direito a planeamento gastronómico porque afinal de contas deixamos 8 crianças para trás e queremos aproveitar para nos dedicarmos calmamente às nossas refeições. Vou preparar um post com as sugestões dos sítios por onde passámos   caso alguém tenha curiosidade. Para já, um bocadinho das cores desta cidade.

Porto Santo, Santo...

7.8.18


Desde que o Manuel nasceu - ou melhor, a partir do seu primeiro ano de vida, altura em que tirou o capacete que usava - que fazemos uma semana de férias no Verão no Porto Santo. Vamos sempre mais ou menos na mesma altura, ficamos sempre no mesmo sítio e fazemos mais ou menos as mesmas coisas. E sabe sempre bem. Ou cada vez melhor. Quem conhece o Porto Santo sabe que o tempo pode ser uma incerteza mesmo no Verão e nem sempre temos tido a maior sorte se formos à procura de dias de céu azul e mar calmo. Na verdade nem temos tido assim tanta sorte. Mas gostamos sempre e saímos sempre com vontade de voltar no Verão seguinte. Mas este ano foi uma espécie de cereja em cima do bolo. Foram dias de calor na medida certa com praia de manhã, sestas, e depois até ao entardecer. 


A Isabel, já tem dado bem para perceber, é uma parceira à altura para as brincadeiras dos irmãos. Por vezes até tenho a impressão de que vai conseguir dar-lhe ideias ainda mais mirabolantes do que aquelas que eles já têm. Sinto que esta tripla ainda nos vai dar muito trabalho - para além, claro das muitas mais alegrias. 

Este Verão está a saber-nos  a paraíso e sei que falo por eles. Tem sido um Verão de liberdade, de passar os dias na rua, entre mergulhos e trepar às árvores. Pés descalços e um permanente mudar de fatos de banho - molhados por secos. Foi neste Verão que os rapazes tiveram a primeira noite em casa de amigos. Duas vezes. Eles estão nas nuvens e nós, por contágio também.

Vestido cor de rosa para um Verão Azul

23.7.18

Este foi, provavelmente, um dos Invernos mais longos de que me lembro. Especialmente porque foi o primeiro que passámos longe da casa que nos viu crescer enquanto família. Não foi mau, foi até bastante compensador mas foi, sem dúvidas, povoado por saudades deste nosso jardim com som e cheiro a mar. Foi já a pensar nele - neste Verão - que comecei a tricotar este vestido para mim. Usei este modelo que andava a namorar no IG porque antecipava um trabalho relativamente fácil e rápido com um bom resultado. Não me enganei. Usei a mesma cor que tinha usado para a camisola da Isabel     e mesmo recorrendo a um fio mais grosso, trabalhei com fio duplo conforme o recomendado. Ainda andei ali um bocadinho às voltas com as instruções porque interpretei mal as diminuições mas depois de entrar no esquema foi sempre em frente. Literalmente. É um vestido que se faz naquelas horinhas da noite de televisão durante uma semana (para fazer com calma...).
Usei-o pela primeira vez para um jantar em casa de amigos para onde levei três filhos e de onde voltei com uma. Os rapazes ficaram lá a dormir com os amigos, naquela excitação da primeira noite fora de casa. E eu que estou por aqui sozinha com eles - enquanto o André está em Lisboa até aos nossos dias de férias em família - agradeci a noite dedicada a uma única filha apesar de ter regressado a casa com uma espécie de desorientação. Mas eles gostaram de tal maneira que se prevê que não seja vez única neste Verão.
Por isso este está a ser uma espécie de Verão Azul. Os dias em que trocam de calões de banho molhados, por calções secos para o pijama. Os dias de mergulhos, amigos, casa da árvore e noites que começam no sofá onde adormecem por cansaço.
Este Verão vai chegar ao fim mas as memórias que vai deixar, não.

E sim, adorei o meu vestido, e é um daqueles projetos a repetir!

AddThis