2018...

7.1.19

Estou quase certa de que começo todos os meus posts anuais a dizer que não sei bem como é que este ano passou tão rápido mas a verdade é que é mesmo o que tem acontecido. Mesmo que 2018 não tenha sido um ano particularmente leve. Não foi também um mau ano, antes pelo contrário, mas foi um ano de muito trabalho, mudanças e adaptação. 
Começámos Janeiro com o final da obra de renovação de outra das nossas casas da Funchal Seaside Villas, aquela a que tínhamos chamado de casa durante mais de 10 anos. 
Em Fevereiro a miúda cá de casa fez um ano e começou a mostrar que está aqui para as curvas e para acompanhar os irmãos nas suas aventuras. 
Em Março (dia 8) a Isabel deu os primeiros passos e celebrámos os anos do pai num fim de semana prolongado num hotel com piscina aquecida que nos aqueceu os corações (especialmente os dos miúdos) depois do Inverno de Lisboa (por comparação ao Inverno da Madeira a que estavam habituados).
Em Abril o sol voltou a começar a brilhar, eu celebrei mais um aniversário e o nosso Manuel começou a dar mostras de estar perfeitamente integrado nas novas rotinas e cidade.
Em Maio demos o primeiro mergulho do ano num dia que nos soube a paraíso. Rumámos a Sesimbra onde passámos uma manhã na praia e onde depois almoçámos um peixe na grelha que nos levou numa espécie de regresso a casa.

Neste ano entretive-me muitas noites entre as agulhas de tricot e em Junho terminei este colete que me encheu as medidas e em que arrisquei uma criação totalmente minha.


Em Julho aproveitámos um baptizado em perto de Coimbra para levar os miúdos à sua estreia no Portugal dos Pequenitos. Para mim, que nasci em Coimbra e que lá fui muitas vezes na idade deles, foi uma espécie de regresso a casa e adorei despertar memórias que tinha de algumas das casas e espaços.


Em Agosto passámos, como habitualmente, uns dias no Porto Santo e continua a ser o destino de eleição dos miúdos. Foi o primeiro ano em que a Isabel realmente desfrutou da praia e em que embarcou  nas primeiras aventuras com os irmãos.

Em Setembro (e como passei muito tempo com os meus filhos na Madeira) fui à descoberta das caixas (e caixas e caixas) de fios da minha mãe e fiz esta camisola para mim usando os restos de fios que a minha mãe tinha usado para fazer uns bonecos para o Manuel. Setembro foi também mês de recomeços, de regressarmos a Lisboa (depois de 2 meses no Funchal) e de voltarem à escola.

Outubro marca o final da obra de renovação da nossa casa e a tão ansiada mudança (tínhamos passado um ano no apartamento dos meus pais em Lisboa. Foi um dos momentos mais felizes de que temos memória e uma espécie de recomeço em família nesta que é a primeira casa que idealizamos para nós.

Novembro foi uma espécie de mês estabilizador para nós. Com a mudança feita aproveitámos para receber família e amigos e passar o maior tempo possível em casa.


Em Dezembro embarcamos na primeira viagem a 5 e fomos passar o fim do ano a Paris e à Disneyland. Os miúdos adoraram e apesar do (óbvio) cansaço que uma viagem destas com crianças implica, mal podemos esperar pela próxima!


E assim chegámos ao fim de 2018 na certeza que demos o nosso melhor.
Para este ano de 2019 quero manter uma espécie de velocidade cruzeiro em grandes promessas ou resoluções. Quero continuar a tentar encontrar mais tempo no tempo para ajudar os meus filhos a crescer tarefa que me tenho vindo a aperceber que nem sempre é fácil e que tantas vezes esconde mais desafios do que aqueles que eu imaginava.
E quero continuar a ter tempo para partilhar o que faço por aqui. Os cozinhados, os projetos de tricot, os desafios. Já o faço desde 2012 e por isso este é já o sétimo post com este balanço anual (!!) (2017  // 2016 // 2015 // 2014 // 2013 // 2012) Para esse lado desejo que 2019 seja recheado com a concretização dos vossos maiores desejos!

Marrakech II...

4.12.18


Já tinha falado aqui da viagem a Marrakech e prometi deixar algumas dicas dos sítios por onde passámos.  A facilidade de ir a Marrocos tem muito tudo a ver com a proximidade geográfica e com os - agora - voos frequentes a partir de Lisboa. É mais rápido e mais barato ir a Marrocos do que ir ao Funchal, só para terem uma ideia.
Andava há muito tempo com vontade de lá ir mas só agora acabou por se proporcionar e acho que, de facto, a vida acaba por te mostrar o seu melhor caminho e esta viagem não podia ter vindo em melhor altura ou com melhor companhia.

Esta coisa de viajarmos as três já está a ganhar um estatuto de tradição. E pelos melhores motivos. Temos gostos e ritmos semelhantes e procuramos mais ou menos o mesmo nas nossas viagens. E melhor ainda, sabemos andar ao sabor umas das outras.
Habitualmente dividimos a pesquisa/marcação dos restaurantes e estadias pelas três e marcamos tudo antes das viagens. Isto ajuda muito para que, uma vez nos locais, não percamos tempo a pensar onde iremos almoçar ou jantar. E como habitualmente estes são momentos preciosos para nós que gostamos de, nestes dias, fazer as nossas refeições com toda a calma e tempo para conversa. 


Ficámos no Riad Jardin Secret que era um dos que estavam na nossa short list juntamente com o Riad Yasmine e o Riad DarKawa mas a oferta é tanta e tão boa que o importante é ver a localização. No Riad Jardin Secret fizemos sempre os nossos dias a pé à excepção de um dia em que fomos jantar fora da Medina.
O ponto alto dos nossos restaurantes foi sem dúvida o jantar no Dar Yacout. Tradicional com comida maravilhosa, música ao vivo e um ambiente de festa. Depois passámos pelos habituais Le Jardin, Nomad e Cafe des Epices. E são bons. A comida é boa mas soaram-me demasiado a sítio da moda completamente Europeu. Mas valem a visita ainda assim. Especialmente o Le Jardin que tem uma esplanada de sonho. 


Como fomos apenas dois dias não tivemos tempo para grandes visitas mas para além dos tradicionais passeios pelos Souks (mercados) é obrigatória uma visita ao Jardin Majorelle e Museu YSL e ao Jardin Secret que é uma espécie de oásis no meio dos Souks. Também vale bem a pena visitar o Hotel La Mamounia (ou para quem, puder, lá ficar!) que é um sonho. Desde os interiores aos jardins, um pequeno paraíso.

Ultimamente por aqui...

5.11.18

Ultimamente por aqui entrámos na rotina pela qual ansiávamos. Acabámos as obras na nossa casa e agora estamos todos em velocidade cruzeiro a desfrutar deste que é um dos nossos grandes projetos em família. Estamos mais perto das escolas e de repente o tempo parece que esticou. Agora temos uma casa que parece enorme porque ainda nos faltam muitas coisas mas não sentimos pressa nenhuma em mobilar. Aqui vamos nós, à nossa velocidade.
Os miúdos parece que crescem durante a noite e a cada dia acordam maiores. A Isabel está naquela fase em que se notam diferenças a cada dia. Está uma tagarela e já se percebeu que não é por ser a mais nova que vai deixar que os irmãos lhe ligam o que fazer. Bem pelo contrário. Desfazem-se em mimos e incluem-na nas brincadeiras.

O Joaquim se pudesse escolher vestia calções e calçava chuteiras todos os dias. Ainda hoje tivemos direito a resmunguice de manhã porque queria calções e não consegue perceber o que é o que frio tem a ver com isso. 

Para oferecer no aniversário de uma das minhas melhores amigas, provavelmente a mais antiga, fiz esta camisola que adorei. Usei o fio branco de bebé que encontrei nas arcas da minha mãe e depois adicionei a cor usando linhas de costura. 
.
A nossa "copa" como lhe chamamos é um dos nossos sítios preferidos da casa e este foi o nosso primeiro pequeno almoço. Desde então têm-se seguido muitas refeições porque esta era uma das rotinas de que mais sentíamos falta. Cozinhar e reunir-nos à volta da mesa para refeições sem pressa.

O Manuel foi o único que se vestiu verdadeiramente para celebrar o halloween este ano. O Joaquim tem sempre imensos planos e vontade mas quando chega a altura de pintar a cara muda logo de ideias! :)
E esta fotografia tirada pelo avô Carlos! Não me lembro de termos uma fotografia em que estivessemos todos a olhar! Aqui está uma e não há ninguém a fazer caretas!


Ultimamente por aqui também tivemos aniversários. O Joaquim fez 5 anos em Setembro e o Manuel 7 em Outubro. Estão cada vez mais senhores dos seus narizes e este ano o Manuel pediu uma festa do pijama para os seus anos. Aproveitámos o facto de termos pouca mobília e fizemos-lhe a vontade. Ter um grupo de 8 rapazes em casa (mais os nossos) não foi um passeio no parque mas ele ficou tão feliz que nós não tivemos como não ficar também.
Agora, Novembro está a chegar e estamos a dois passos do final do ano. Não sei bem como mas vamos a isso!

Marrakech I

23.10.18


Tudo isto começou - e voltamos muitas vezes a esse momento em conversa entre as três - com um presente de Natal que os nossos maridos nos ofereceram há uns anos atrás: uma viagem a Madrid. Marcaram a casa, as passagens e um restaurante maravilhoso e puseram tudo isto dentro de um envelope que eu me lembro de abrir como se tivesse sido ontem. A minha primeira reacção foi de espanto, depois medo. Nunca tinha estado longe dos miúdos (na altura só dois) mas acho que o André sabia o que eu precisava melhor que eu e foi um presente maravilhoso. Tão acertado que entretanto já vamos na terceira ronda, depois de Madrid veio Roma e agora Marrakech. 
Foi o primeiro destino que conhecemos pela primeira vez e foi uma espécie de fim de semana de descoberta ao nosso ritmo. E foi tão bom. Marrakech tem cores lindas. É uma espécie de mundo à parte, uma cultura tão diferente da nossa apesar de ser mesmo aqui ao lado.
Como tem acontecido nas nossas viagens, também esta teve direito a planeamento gastronómico porque afinal de contas deixamos 8 crianças para trás e queremos aproveitar para nos dedicarmos calmamente às nossas refeições. Vou preparar um post com as sugestões dos sítios por onde passámos   caso alguém tenha curiosidade. Para já, um bocadinho das cores desta cidade.

AddThis